7 de mai de 2016

AC/DC - O FIM CHEGOU?


Os últimos acontecimentos não estão cooperando para manter a longevidade da banda australiana AC-DC. Seus integrantes estão ficando inoperantes com o passar do tempo por diversos motivos, que variam de problemas com a lei a graves complicações de saúde.
Da formação clássica, considerando que o baixista Cliff Williams substituiu o baixista Mark Evans, logo após o lançamento de Let There Be Rock (1977) e nunca mais saiu, a maioria dos outros integrantes permaneceram firmes na virada do século XXI, com exceção do vocalista Bon Scott morto em 1980 e do baterista Phil Rudd que saiu alegando estafa, após o lançamento de For Those About to Rock (1981), sendo substituído por bateristas flutuantes (Simon Wright e Chris Slade) até voltar definitivamente no álbum Ballbreaker (1994).

Formação da década de 1970, da esquerda para direita: Bon Scott, Phil Rudd,
Malcom Young, Angus Young e Mark Evans

Formação do final da década de 1970, da esquerda para a direita: Cliff Williams,
Bon Scott, Phil Rudd, Angus Young e Malcom Young
Em 2014, Phil Rudd ainda participaria do excelente álbum Rock or Bust, mas no ano seguinte não se integraria à turnê de divulgação e não voltaria mais à banda por causa de problemas na justiça devido acusações de ameaças e conspiração para assassinato.  Novamente Chris Slade tomaria seu lugar com muita competência.

A obra prima com Bon Scott

A obra prima com Brian Johnson
Um situação mais grave contribuiu com a substituição do vocalista original, o lendário Bon Scott, morre em 1980 aos 33 anos por causas naturais, ou melhor, sufocado pelo próprio vômito após uma noite de bebedeira. O último trabalho de Scott foi o clássico álbum Highway to Hell (1979). O escolhido para substituí-lo foi Brian Johnson, um vocalista britânico de uma banda quase desconhecida chamada Geordie. Johnson nunca mais sairia da banda, conquistando com muito carisma e garra a fidelidade dos fãs do AC-DC, ainda mais por ter sido participante do insuperável álbum Back in Black (1980).

Formação clássica da banda que conquistou o mundo, da esquerda para a direita:
Cliff Williams, Malcom Young, Brian Johnson, Angus Young e Phil Rudd

AC-DC detonando nos anos de 1980 com Brian Johnson nos vocais
Já Malcom Young, o guitarrista base, considerado o líder da banda e irmão de Angus Young, começou a ter problemas de saúde durante a gravação do álbum Black Ice (2008). Malcom, mesmo medicado, conseguiu finalizar as gravações do álbum. Após rigorosos exames foi diagnosticado um quadro de demência e atrofia cerebral. Malcom ainda participaria da cerimônia do lançamento do álbum ao vivo Live At River Plate (2011), mas já não estava mais participando das gravações ou tocando ao vivo.

O último grande trabalho do AC-DC com Brian Johnson nos vocais

Formação de Rock or Bust (2014) com Stevie Young na guitarra base e Brian Johnson ainda nos vocais
A solução para a ausência de Malcom, foi convocar o primo Stevie Young, que o substituiu surpreendentemente nas turnês e no próximo trabalho da banda, o excelente Rock or Bust (2014).

Áureos tempos do álbum Back in Black com a formação clássica
Duas perdas irreparáveis, Malcom Young e Brian Johnson


Quando tudo parecia se estabilizar, outra bomba em 2016! Há pouco menos de um mês, é anunciado que Brian Johnson, o carismático vocalista que teve a incumbência de substituir o lendário Bon Scott em (1980) teria sido afastado por problemas de audição. Segundo Angus Young, agora líder da banda, o próprio Johnson teria concluído que com sua deficiência auditiva não seria possível estar à frente da banda e cumprir os compromissos já agendados.
Ma as coisas ainda não estão bem esclarecidas sobre a saída de Brian Johnson.

Axl Rose no AC-DC?
Banda atual, da esquerda para a direita: Chris Slade, Cliff Williams, Axl Rose (argh!) Angus Young e Stevie Young
Mas aí vem outra surpresa, que para mim não foi agradável, convocaram o vocalista Axl Rose dos Guns N' Roses para substituí-lo. Axl já estaria participando das turnês do AC-DC como seu vocalista oficial.  Na minha opinião, o AC-DC, uma das minhas bandas prediletas e que fez a trilha sonora da minha vida por muitos anos, deveria cumprir sua agenda de compromissos para o ano e depois encerrar definitivamente com a banda. Pois sem Phil Rudd, Malcom Young e agora, Brian Johnson, não há mais sentido para prosseguirem como banda. É o que eu penso. O que vocês acham?

Eumário J. Teixeira.

Um comentário:

  1. Após as saídas de Brian Johnson do AC-DC por deficiência auditiva; Malcom Young, por demência; e Phil Rudd por problemas com a lei, é a vez do baixista Cliff Williams, que está na banda desde o lançamento do LP/CD Powerage (1978), portanto há quase 40 anos, decidir abandonar o barco após a turnê de 2016. Segundo ele, com todas essas baixas, não haveria mais sentido em continuar, pois a banda perdeu a identidade com a ausência dos companheiros de quatro décadas de estrada. A convocação de Axel Rose para substituir os vocais de Brian Johnson durante a última turnê, foi a gota d'água para a decisão de Cliff Williams, apesar dele não ter nada pessoal contra Axel. Só o incansável Angus Young permanecerá como o único membro co-fundador e original do AC-DC. Particularmente, também não vejo mais sentido em manter a banda desfigurada em atividade. Boa sorte para Cliff Williams, quem sabe pinta uma carreira solo? Especulam por aí prováveis substitutos para Cliff, os nomes mais cogitados seriam os dos baixistas atualmente desempregados, Geezer Buttler (ex-Black Sabbath); Geddy Lee (ex- Rush); Dave Grohl (ex-Nirvana); Tommy Stinson (ex-Guns 'N Roses); e Michael Anthony (ex-Van Halen). O que você pensa sobre isso?

    ResponderExcluir